Cultura CAIXA Cultural Curitiba faz resgate de obra de Farnese...

CAIXA Cultural Curitiba faz resgate de obra de Farnese de Andrade

-

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, de 20 de setembro a 19 de novembro, a exposição Farnese de Andrade – Arqueologia Existencial. A mostra reúne um conjunto de obras pertencentes a coleções particulares e dos herdeiros do artista, mapeando sua produção ao longo dos anos 1970, 1980 e 1990. A exposição revela a linguagem única e singular do artista, mostrando sua personalidade e trajetória fundida com as fases de sua obra. Na noite da abertura, dia 19 de setembro, o curador Marcus de Lontra Costa estará presente. A mostra prevê recursos de cor, som e iluminação para acentuar as características dos trabalhos e proporcionar ao público um clima lúdico e intenso.

Farnese de Andrade (1926-1996) é considerado um dos mais expressivos artistas de sua geração. A exposição na CAIXA Cultural propõe o resgate de sua memória através de uma mostra abrangente e relevante. O artista contribuiu de forma decisiva para a história da arte brasileira e agrega valores internacionais na construção das questões vanguardistas do século XX.

Com uma produção ininterrupta participou de diversas bienais no Brasil e no exterior e suas obras hoje são disputadas entre grandes colecionadores. Farnese é um dos mais valorizados artistas brasileiros e tem obras nas maiores coleções particulares e museus do Brasil e do mundo, como: Coleção de Arte Latino-Americana da Universidade de Essex, na Inglaterra, Instituto de Arte Contemporânea de Londres, MAC Niterói (RJ), Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), MAM RJ, Museu Nacional de Belas Artes e MAM SP, entre outras.

Além de obras, a mostra apresentará o filme “Farnese” (1970) do cineasta Olívio Tavares e Araújo – premiado como melhor curta-metragem no Festival de Brasília, em 1971, e único filme latino-americano selecionado no Festival de Cannes, em 1972. Também será exibido um vídeo contendo uma entrevista com o curador Marcus Lontra e textos/poemas que ajudam a elucidar a trajetória e os fundamentos artísticos de Farnese de Andrade.

Múltiplo Farnese

Farnese de Andrade foi um artista múltiplo, cuja produção, vida e arte se enlaçam de maneira inseparável dando origem a uma obra densa, de caráter fortemente autoral. Começou sua carreira como desenhista e gravador e, a partir de 1964, cria objetos ou assemblages com cabeças e corpos de bonecas, santos de gesso e plásticos, todos corroídos pelo mar, coletados nas praias e nos aterros. Passa a comprar materiais como redomas de vidro, armários, oratórios, nichos, caixas e imagens religiosas em lojas de objetos usados, de antiguidades e depósitos de demolição. Utiliza com frequência velhos retratos de família e cartões-postais, e começa a realizar trabalhos com resina de poliéster, sendo considerado um pioneiro da técnica no Brasil.

Apontado como dono de uma personalidade difícil e de um trabalho marcadamente autobiográfico, Farnese revelou nas obras sua densa trajetória pelas memórias de infância, do pai, da mãe, dos irmãos, da sagrada família mineira e de sua fase oceânica, além de um certo aspecto libertário e transgressor, a partir de sua mudança para o Rio de Janeiro.

Enclausurado na própria solidão, expressou principalmente o embate dos seus medos, dores, tristezas, rancores, complexos, perdas, depressões, recalques, pânicos, relações, fetiches, libido, euforias e alguma alegria. A poética de Farnese de Andrade, pautada no inconsciente, contrasta com as de outras tendências do período, como as da arte construtiva e concreta. Construiu assim, uma obra na qual o lirismo oscila do concreto ao abstrato e o bruto consegue ser gentil.

Sua história

Farnese de Andrade nasceu em Araguari. Entrou em 1945 na Escola do Parque de Belo Horizonte, onde foi aluno de Guignard e contemporâneo de artistas como Amílcar de Castro, Mary Vieira e Mário Siléso.

Quando mudou-se para o Rio de Janeiro, em 1948, trabalhou como ilustrador para o suplemento literário dos jornais Diário de Notícias, Correio da Manhã e Jornal de Letras, e para as revistas Rio Magazine, Sombra, O Cruzeiro, Revista Branca e Manchete, entre 1950 e 1960.

Sua primeira exposição individual de desenhos foi em 1950. Em 1959, começou a frequentar o ateliê de gravura do MAM RJ, onde estudou gravura em metal com Johnny Friedlaender e Rossini Perez. Produziu gravuras abstratas, com formas regulares e cores fortes. Nas matrizes, utiliza materiais encontrados nas praias, como pedaços de madeira cheios de sulcos.

Em 1965, realiza a série de desenhos Eróticos e inicia os Obsessivos. Bolsista do governo brasileiro, viajou em 1970 para Barcelona. Sua volta em 1975 rendeu frutos e a fama de Farnese fortaleceu a paisagem artística brasileira. Mas não é por seu trabalho na gravura, sempre abstrato, nem como desenhista, seja abstrato ou figurativo, que ele é, hoje, conhecido e reconhecido, mas pela criação dos objetos chamados BoxForms, cuja matriz explodida e iconoclasta é o Barroco da sua infância. Oratórios, pedaços de madeira de igreja, ex-votos, etc. constituíram, até a sua morte, um mundo estranho, às vezes mórbido e com fortes referências eróticas. Resultado de uma infância secreta, a obra sempre onírica e poética dá força e senso a um trabalho sem igual.

Serviço

Artes Visuais: Farnese de Andrade – Arqueologia Existencial
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Galerias Mezanino e Térreo – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Abertura: 19 de setembro (terça-feira), às 19h
Visitação: 20 de setembro a 19 de novembro de 2017
Horário: terça a sábado, das 10h às 20h, e domingo, das 10h às 19h
Ingressos: entrada franca
Classificação etária: livre para todos os públicos

 

Por Assessoria de Imprensa

Rafael Pignatarohttps://www.cadernoinformativo.com.br
Produtor de conteúdo | Repórter | Jornalista |Marketing | Idealizador do Portal Caderno Informativo | Empreendedor na RP Comunicação Integrada |

Últimas publicações

Chaves de simples e duplas da Copa Feminina de Tênis começam nesta terça

Amanhã começam a ser disputadas as chaves de simples e duplas da Copa Feminina de Tênis, com...

Pro Tork confiante para última etapa do Paranaense de Motocross

O Campeonato Paranaense de Motocross terá a última etapa da temporada 2021 realizada neste fim de semana,...

Coritiba sofre derrota na despedida da segunda divisão

O Coritiba encerrou nesta sexta-feira (26) sua passagem pela segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Jogando no Moisés...

Paranaense de Velocidade inicia a programação na sexta em Londrina

A programação da 3ª e decisiva etapa do Campeonato Paranaense de Velocidade terá início na sexta-feira, no...

Top 5 para Alfredinho Ibiapina no Open do Brasileiro

O último final de semana foi intenso para os jovens pilotos kartistas. Open do Brasileiro, última preparação,...

Curitiba recebe etapa mundial do circuito ITF WTT com tenistas de 9 países

A partir da próxima segunda (29), Curitiba será a sede da Copa Feminina de Tênis, competição que...

Mais destaques do esporte

Londrina é Campeão Paranaense

O Londrina é o Campeão Paranaense 2021....

Brendon Zonta Gabardo é campeão da Old Chev “B”

O piloto curitibano Brendon Zonta Gabardo (Condor, Grameira...

Você também pode gostarRelacionadas
Recomendado para você

Fale conosco