A mostra “Emblemas da Cultura Brasileira: Retrospectiva da obra gráfica de Claudio Tozzi”, que ficaria em cartaz na Caixa Cultural Curitiba até o 6 de janeiro, foi prorrogada e permanece em cartaz até o dia 17 de fevereiro. A exposição é uma oportunidade rara de conhecer a obra gráfica do artista, nos últimos 50 anos, e apresenta soluções técnicas coerentes com cada fase de sua produção pictórica, utilizando variados processos de reprodução gráfica: serigrafia, xerox, litografia, gravura em metal, zinc off-set e digitografia.

A produção de Tozzi tem absoluta coerência de linguagem entre sua pintura e o meio de reprodução utilizado em cada fase. Assim as cores chapadas dos astronautas e multidões da década de 60 são reproduzidas pelo processo de serigrafia. Os parafusos mais simbólicos e contidos exigem uma técnica mais intimista: a gravura em metal.

“Sempre propus realizar trabalhos que fossem inseridos no espaço da cidade, atitude resultante de estudos e reflexões de minha formação em arquitetura e design urbano”, disse Claudio Tozzi. Atualmente, sua produção exige técnicas e superposições de retículas gráficas que permitem ao expectador uma percepção mais ampla da forma e da cor através da somatória ótica de retículas com variações de seus matizes.

A mostra é resultado de uma pesquisa do curador e historiador Manuel Neves, realizada na École dês hautes Etudes em Sciences Sociais em Paris, que investigou a produção da arte brasileira na segunda metade da década de 60, onde a obra de Claudio Tozzi ocupa destacado lugar. A pesquisa em idioma francês (ainda não publicada no Brasil) que tem como título: “Image Pop: Pop art presence et negation dans l’art brésilien des années soixante”, foi editada na Europa pela Édition Universitaires Européennes, Sarrebruck.

Segundo o curador Manuel Neves, Claudio Tozzi é um artista fundamental na cena contemporânea brasileira. Sua obra, como a dos artistas mais importantes de sua geração, articula uma mudança radical no estatuto da imagem artística, tomando e reprogramando os modelos visuais projetados pelos meios de comunicação e a indústria do espetáculo, para produzir uma obra figurativa, chamada genericamente no mundo anglo-saxão pop art.

As imagens referentes à exposição englobam toda a produção de Tozzi em suas diversas fases: multidões, bandido da luz vermelha, astronautas, parafusos, cor pigmento luz, recortes até a mais recente – territórios.

O ARTISTA

Nasceu em São Paulo, onde vive. Estudou no Colégio de Aplicação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (1956 a 1962) e na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (1964 a 1969), onde trabalha como professor. É Doutor pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP).

Participou de várias exposições coletivas e individuais, entre elas: Jovem Arte Contemporânea no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo; Panorama da Arte Brasileira no Museu de Arte Moderna de São Paulo; Brasil 500 anos – Arte Contemporânea; Arte e Sociedade; Subversão dos Meios no Centro Cultural Itaú; The World Goes Pop na Tate Modern (Londres); International Pop no Walker Art Center, Dallas Museum of Art e Philadelphia Museum of Art e nas Bienais de São Paulo, Veneza, Paris, Medelin (Colômbia), Havana, Makurazaki (Japão) e do Mercosul; no Museu da Casa Brasileira em São Paulo, Museu de Arte Moderna no Rio de Janeiro, Museu Andrade Muricy em Curitiba, Museu de Arte Moderna de Cascavel, Museu de Arte Moderna de Londrina e em diversas galerias no Brasil e no Exterior.

Recebeu vários prêmios dentre os quais Prêmio de viagem ao Exterior, no Salão Nacional; Press Prize Awards 2016 – Artes Plásticas Miami, Fort Landerdale; Prêmio Trajetória 2016, Associação Brasileira de Críticos de Arte. 

Incentivo à cultura:

A CAIXA investiu mais de R$ 385 milhões em cultura nos últimos cinco anos. Em 2018, nas unidades da CAIXA Cultural em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, está prevista a realização de 244 projetos de Artes Visuais, Cinema, Dança, Música, Teatro e Vivências.

A CAIXA Cultural Curitiba oferece, desde 2004, uma programação diversificada, com opções gratuitas ou a preços populares, estimulando a inclusão e a cidadania. O espaço, situado no centro da capital, conta com duas galerias, um teatro, uma sala de oficinas e tem 70 atrações previstas na programação de 2018.

Serviço:

Artes Visuais: Emblemas da Cultura Brasileira: Retrospectiva da obra gráfica de Claudio Tozzi

Local: CAIXA Cultural Curitiba – Galeria Térreo – Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba (PR)

Visitação: 7 de novembro a 17 de fevereiro de 2019

Horário: terça a sábado, das 10h às 20h, e domingo, das 10h às 19h

Entrada franca

Classificação etária: Livre para todos os públicos

Informações: (41) 2118-5427

Patrocínio: CAIXA e Governo Federal