Que Curitiba é cheia de lugares bonitos para conhecer não precisa nem falar. A capital é famosa por suas soluções de urbanismo, e há anos vem ganhando vários prêmios quando o assunto é turismo.

Em 2017, por exemplo, foi considerada pelo Ministério do Turismo como uma das dez melhores cidades para se visitar no inverno. Isso é motivo de sobra para se orgulhar, não é mesmo?

Agora, a gente te pergunta: quando foi a última vez que você, curitibano, saiu de casa para turistar na sua própria cidade?

Pois é, a rotina muitas vezes impede que moradores apreciem e até mesmo conheçam projetos desenvolvidos pela cidade e que tanto encantam os turistas que vêm até a capital. Um deles é o Vale da Música, evento cultural que funciona de terça a domingo das 10h às 18h em um dos maiores pontos turísticos da capital: a Ópera de Arame.

Pensando nisso, separamos dez motivos para você conhecer esse projeto, inaugurado em setembro do ano passado e que trouxe ao já lindo visual da Ópera ainda mais charme.

Vamos lá?

1– Música todos os dias

Isso mesmo. O Vale da Música é um projeto que tem como objetivo oferecer aos visitantes música instrumental de qualidade de terça a domingo, de manhã até o final da tarde. Não tem desculpa. Qualquer hora do dia é hora para sentar no novo deck em frente ao lago do teatro e curtir um bom som. Para se ter uma ideia, a previsão é que em um ano, o local tenha oferecido cerca de 800 apresentações. É música pra caramba!

2- Música para todos os gostos

Não basta ter música o tempo todo. Tem que ter música para todos os gostos. E no Vale da Música você encontra exatamente isso. Samba, jazz, MPB, música flamenca, até mesmo programação musical para crianças. Para saber detalhes da programação, é legal ficar de olho na página do Facebook do Parque das Pedreiras e no site www.parquedaspedreiras.com.br.

3- Palco flutuante só aqui!

O projeto tem um belo palco flutuante e, sim, ele é um dos únicos do Brasil.  Idealizado pelo arquiteto Felipe Guerra, o palco foi concebido como uma escultura e, para que se locomova pelo lago, apresenta uma estrutura exclusiva com cabos submersos que funcionam como trilho. Por funcionar quase como uma concha acústica, o som é ótimo, além de o palco ser todo microfonado, o que garante que você ouça a música de todos os cantos da Ópera.

4 – Valorizando talentos locais

Como uma forma de movimentar o cenário musical da cidade, a maioria dos músicos que se apresenta no palco flutuante é de Curitiba. Só de artistas locais, são mais de 200, confirmando que, sim, Curitiba é realmente um polo de bom músicos e musicistas.

5 – Ópera de Arame de portas abertas

Além da programação musical, o Vale da Música também propõe o conceito de portas abertas na Ópera de Arame. A plateia, o backstage do teatro, trajetos no meio da mata e outras áreas restritas ficam abertas para acesso do público. No Vale da Música, a Ópera de Arame fica aberta para visitação de terça a domingo. Exatamente. Antes, conhecer os bastidores do teatro só era possível em visitas guiadas agendadas. Hoje, basta ir até lá para poder conhecer o espaço.

6 – Muita beleza natural

Muita mesmo. Em volta da Ópera de Arame, um lago com uma área de 7.500 m² e uma cascata com 10 metros dão ao projeto uma das vistas mais deslumbrantes de Curitiba. Além disso, uma vegetação exuberante, animais nativos e um deck super charmoso para apreciar tudo isso.

7 – Arte + arte = arte

Mas nem só de música e belezas naturais vive o projeto. No bosque aos fundos da Ópera e em alguns outros pontos do local os visitantes podem conhecer as esculturas do curitibano Luiz Gagliastri. São oito animais gigantes que encantam adultos e a criançada. Ponto de parada obrigatória para foto.

Além dessa exposição, é possível apreciar a exposição fotográfica do artista Orlando Azevedo, a Terra Mater. A mostra faz parte de um grande acervo da exposição “Cósmica”, que traz de forma abstrata os quatro elementos: água, fogo, terra e ar. Para criar uma profunda relação com o espaço e o cenário da pedreira onde a Ópera está localizada, “Terra Mater” traz somente o signo Terra, com enfoque nas pedras.

8 – Comida pra que te quero

O que poderia ser melhor que uma boa música e uma bela paisagem? Comida, claro! O restaurante Ópera Arte fica às margens do grande lago do teatro, bem em frente ao Palco Fluturante, e oferece almoços, lanches, cafés e, claro, aquela cervejinha gelada para os dias de sol ou um saboroso vinho para dias de mais frio.

9 – Tem até “lujinha”

Quem é que resiste a uma lojinha? Logo na entrada da Ópera fica a MUNÁ, a loja oficial do Parque das Pedreiras. O espaço revitalizou a entrada do teatro com um novo e moderno portal e oferece produtos 100% feitos por gente daqui. Tem canecas, canetas, moleskines e muito mais. Ideal para quem adora presentear aos outros ou a si mesmo.

10 – Morador de Curitiba paga meia

Isso mesmo. Para curtir o Vale da Música, o público contribui com o valor de R$10 inteira e R$5 meia-entrada. Quem é de Curitiba e levar um comprovante de residência também paga meia-entrada. Ou seja, lugar perfeito para piazada se reunir.

SIGA O INSTAGRAM DO BLOG CURITIBA AGORA